Acupuntura: Aprenda sobre esse tratamento milenar


Por Júlia Ritez Martins


Se você tem curiosidade para entender melhor como funciona a acupuntura, de onde ela vem e para que serve, hoje apresentarei um pouco dessa técnica que tem ganhado cada vez mais adeptos pelos resultados que proporciona.


 A acupuntura possui uma visão integrada de ser humano. Trata-se de um tratamento que considera a relação entre fatores psíquicos e físicos como se influenciando mutualmente. E pode ser utilizada também para o tratamento de transtornos psicológicos (depressão, ansiedade, etc).


Mas afinal como funciona a acupuntura?


“A Acupuntura é uma terapêutica milenar que faz a prevenção, tratamento e cura de patologias através da inserção de finíssimas agulhas de ouro, prata ou aço inoxidável em determinadas regiões do corpo chamadas de “pontos de acupuntura””.

Ela atua na fibras sensitivas do Sistema Nervoso Periférico (SNP) provocando transmissões elétricas e produzindo alterações no Sistema Nervoso Central (SNC), que  libera substâncias como cortisol, endorfinas, dopamina, noradrenalina e serotonina (SILVA, p.1, 2007).


Foi criada na China, sendo incorporada posteriormente em outros países do oriente tais como o Japão, Coréia e Vietnã. As primeiras informações sobre essa técnica foram encontradas nos manuscritos chineses do século XVIII a.C. - O Nei Jing (Nei Ching), conhecido como o Tratado do Imperador Amarelo (SOUZA, 2007).


Para Pomeranz e Stux (1989), ao contrario da medicina ocidental, a chinesa teria uma visão holística do homem por não se fundamentar em uma lógica linear mas ter como objetivo obter uma harmonia com a natureza.



E é uma técnica com comprovação científica?


 De acordo com Palmeira (1990), desde o início do século passado existe a tentativa de demonstrar a cientificidade da acupuntura e a publicação de "L'Acupuncture Chinoise", na França por Soulié de Morant, em 1939, teria marcado o renascimento do interesse pela acupuntura no ocidente. Nesse período, a principal preocupação dos estudos científicos era a confirmação da existência dos meridianos e pontos descritos pela tradição por meio da demonstração anatômica.


Atualmente as pesquisas buscam comprovar sua eficácia em patologias especificas.

Em seus estudos, Vectore (2005), apresentou uma pesquisa bibliográfica em que vários autores demonstraram resultados positivos do tratamento com acupuntura em diferentes casos, como por exemplo: na hiperatividade e déficit de atenção (Chan; Rappaport; Kemper, 2003); esclerose múltipla (Nayak, 2003); depressão pós-parto (Weier e Beal, 2004); insônia e ansiedade (Spence, 2004); doenças neurológicas e distúrbios psiquiátricos (Chen; Zhang; Han, 2004); síndrome do pânico e depressão (Unutzer, 2000; Knaudt, 1999), entre outras.


Além disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o uso da acupuntura para diversos tipos de patologias, tais como, enxaquecas, problemas gastro-intestinais, alergias e dores diversas. E há um número cada vez maior de pesquisas que demonstram a influência da acupuntura sobre os problemas emocionais e mentais (VECTORE, 2005).


Segundo Silva (2007), a 8ª Conferência Nacional de Saúde foi um marco importante no avanço em direção a democratização das ações e do acesso a novos recursos de intervenção existentes na área da saúde.

A partir de então, houve a implementação dessa terapia nos serviços públicos e a multiplicação de consultórios privados de acupuntura.


​Se quiser saber mais sobre essa técnica entre em contato e agende uma avaliação.




Fontes:


BANDEIRA, L. P. F.; BERALDO, P. C.; ROSSAFA, P.; SILVA, A. F. G. (2005) Tratamento Fisioterapêutico por meio da Acupuntura nas Lombalgias RUBS, 1(2), 1-50. Recuperado 13 de agosto de 2009, do http://rubs.up.edu.br/arquivos/rubs/RUBS%20II/Tratamento%20fisioterap%C3%AAutico.pdf

CARBALLO, F. (1973). Acupuntura China. Buenos Aires: Kier.

COOPER, J. C. (1989). Yin e Yang: A Harmonia Taoísta dos Opostos. São Paulo, Martins fontes.

FERREIRA, C. S.; LUZ, M. T. (2007) Shen: categoria estruturante da racionalidade médica chinesa. Hist. cienc. saude-Manguinhos,  14, (3), 863-875 .   Recuperado em 15 de julho de 2009, do SciELO (Scientific Electronic Library Online): <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702007000300010&lng=en&nrm=iso>. access on01  Sept.  2009.  doi: 10.1590/S0104-59702007000300010.

GOMES, R. S. (2008). Fisiopatologia e Tratamento por Acupuntura da Retocolite Ulcerativa. Monografia de Especialização em Acupuntura, da Faculdade de Educação, Ciência e Tecnologia – UNISAUDE, Brasília. Recuperado em 2 de agosto de 2009, do http://www.portalunisaude.com.br/downloads/FISIOPATOLOGIA_E_TRATAMENTO_POR_ACUPUNTURA_DA_RETOCOLITE_ULCERATIVA.pdf.

IBRAM: Instituto Brasileiro de Acupuntura. (2008). Meridianos Distintos, Psicologia. Ribeirão Preto: Autor

JACQUES, L. M. (2003). Categorias epistemológicas e bases cientificas da medicina tradicional chinesa. Dissertação de Mestrado em Ciências, da COOPE/UFRJ. Recuperado em 12 de agosto de 2009, do http://oscarhome.soc-sci.arizona.edu/ftp/TeseMestradoLilianJacques.pdf

PALMEIRA, G. (1990). A acupuntura no ocidente. Cad. Saúde Pública, 6(2),  117-128. Recuperado em 28 de março de 2009, do SciELO (Scientific Electronic Library Online):http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X1990000200002&lng=en&nrm=iso

REQUENA, Y. (1990). Acupuntura e Psicologia. São Paulo. Andrei.

SANTOS, A. C. Elementos de Psicologia no Pensamento Oriental. Recuperado em 12 de julho de 2009, do: http://74.125.93.132/search?q=cache:OHZFySQYSq0J:www.centrobrasileiro.com.br/biblioteca/acupuntura/portugues/050.pdf+%22.+Elementos+de+Psicologia+no+Pensamento+Oriental%22&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

SCOGNAMILLO-SZABO, M. V. R.; BECHARA, G. H. (2001). Acupuntura: bases científicas e aplicações. Cienc. Rural,  31(6), 1091-1099. Recuperado em 13 de março de 2009, do SciELO (Scientific Electronic Library Online): http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782001000600029&lng=en&nrm=iso

SILVA, D. F. (2007). Psicologia e acupuntura: aspectos históricos, políticos e teóricos. Psicol. cienc. 27(3), 418-429.  Recuperado em 1 de março de 2009, do  SciELO (Scientific Electronic Library Online): http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932007000300005&lng=

pt&nrm=

SILVA, A. S. T. (2007). Acupuntura sem segredos: tratamento natural, milenar e cientifico. Psicologia Actual, 10. Recuperado em 23 de fevereiro de 2009, do http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0387.pdf

SOUZA, R. R. (2007). Acupuntura no tratamento da depressão. Monografia de Especialização em acupuntura, Centro Integrado de Terapias Energéticas, Recife. Recuperado em 12 de abril de 2009, do http://citeacupuntura.com.br/biblioteca/DEPRESSAO.pdf

POMERANZ B., STUX G. (1989). Scientific Bases of Acupuncture. Springer Verlag, Berlin.

VECTORE, C. (2005). Psicologia e acupuntura: primeiras aproximações. Psicol. cienc. Prof, 25(2), 266-285. Recuperado em 1 de dezembro de 2008, do SciELO (Scientific Electronic Library Online): http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S14148932005000200009&lng=pt&nrm=iso

VOLPI, J. H.; VOLPI, S. M. (2007). Vivenciando as etapas do desenvolvimento emocional e mapeando as emoções no corpo humano. Recuperado em 5 de fevereiro de 2009, do: www.centroreichiano.com.br/artigos.htm

WEIL, P. (2000). A mudança de sentido e o sentido da mudança. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.