logo-pulsar-menor.png


O que ninguém te contou sobre a Cesárea


Por Júlia Ritez Martins         


Você sabe quais são as indicativas reais e absolutas para se realizar uma cesárea?


E sobre os riscos para a mãe e o bebê? Qual tipo de parto afinal é mais seguro?


São muitas dúvidas, muitos hormônios, mudanças, muitas cobranças, muitas opiniões, relatos e informações equivocadas que acometem as gestantes.


E Muitas mulheres acabam optando por uma cesárea eletiva ou por medo de sentirem dor, ou por acreditarem ser a forma mais segura, para protegerem seu bebê.


No entanto, estudos da American Journal of Obstetrics and Ginecology, apontam que bebês nascidos de parto normal têm menor propensão a doenças respiratórias, autoimunes e até obesidade, e que o risco de mortalidade infantil para nascidos em cesáreas é 11 vezes maior.


Por isso, o Ministério da Saúde tem tomado medidas para estimular a realização dos partos normais. Tais como reforçar para os hospitais a necessidade de documentação com as justificativas para escolha da cesárea, a divulgação do percentual de cesarianas e o estabelecimento de multas quando essas medidas não forem cumpridas.


Segundo Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país onde mais se realizam cesáreas, no SUS as taxas chegam a 40%, enquanto no sistema particular é de 84% ou até mais, dependendo da região.


Isso é preocupante também porque o agendamento da cesariana estimula partos prematuros, já que é difícil calcular a data exata da concepção e as cirurgias são agendadas precocemente ocorrendo muitas vezes antes do bebê atingir as 38 semanas.


Contribuindo com essa cultura, existem alguns mitos que se propagam tais como: o “bebê sentado”, "baixa dilatação", "idade avançada" da mãe, "presença de mecônio" ou “cordão umbilical enrolado no pescoço” considerados indicativas para a realização da cesárea.


Porém, muitos são os fatores que precisam ser avaliados para essa decisão. Por exemplo: se a gestação toda foi saudável e o bebê está com o cordão em volta do pescoço é possível sim o nascimento pelo parto normal veja aqui esse vídeo. Apenas esse fator isolado, não pode ser justificativa para a cesárea.


As indicativas absolutas para a realização da cesárea são: placenta prévia, prolapso do cordão ou descolamento precoce da placenta quando o colo do útero não estiver plenamente dilatado, posição transversa.



Para além disso, todos os sinais, dúvidas, questões precisam ser analisadas com atenção. É muito importante garantir para as gestantes o acesso as informações e aos cuidados pré-natais.


Ainda estamos muito distantes dessa realidade em que o cuidado e informações de qualidade possam alcançar a todas as camadas da sociedade.


E apenas medidas governamentais dificilmente serão suficientes para promover mudanças. É preciso conversar sobre o assunto, é preciso debater.


É preciso que a mulher seja verdadeiramente livre para escolher sobre seu corpo e o melhor parto para si. E isso só será possível quando ela tiver consciente e com opções reais de escolha.


Para acompanhar as novidades do Projeto Pulsar siga-nos nas redes sociais, clique:


               


fontes: 


http://www.cartacapital.com.br/saude/parto-normal-7111.html


http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf